• Beatriz Faria

Métodos de Escrita #3 - Construindo o personagem em 10 passos




Personagem (quem, como, motivação, aparência, trauma, desejo, objeto, medo, valor, objetivo). E vamos de criação REAL E OFICIAL de personagem? Seguindo esses tópico e desenvolvendo mais ideias a partir deles, você terá um conteúdo completo sobre seu personagem. Talvez esse tópico fique enorme quando for desenvolvê-lo. Quanto mais informação, melhor. Então não se acanhe.


Quem: Aqui você usa o que já sabe sobre ele e expande detalhadamente, ramificando informações e criando um histórico. Nome, idade, personalidade, trejeitos, lado emocional, afetivo, signo... Dica da Bia: faz um mapa astral do seu personagem e mete bronca. Entrevistas também ajudam pra saber mais sobre a estrela da sua história.




Como: Aqui determinamos como o personagem se comporta. Ele é bruto? Tem um lado sensível? Quieto? Então como demonstra isso para o mundo ou em sua linguagem corporal? Tem alguma mania? Um modo de falar diferente. Algum sotaque? Como anda, como se veste, o que come… Nessa parte o autor é um psicopata de primeira. Stalkeia as redes sociais, persegue de noite, revira o lixo da casa - será que isso soou estranho? Eu imagino que sim.




Motivação: Após determinarmos quem e como ele é, agora é hora de explicar o motivo pelo qual ele é assim. O momento ideal para expandir seu passado de vida. Chega de personagens que são assim porque sim! Pra tudo tem uma razão - nem que seja comprimido de Rivotril fora da validade. Seu personagem tem uma back history? Ela influencia seu modo de ser e de agir? Descreva-a aqui. (a) Talvez ele saiba falar três línguas porque viajou o mundo e aprendeu na prática; (b) talvez ele é inseguro porque viveu tempo demais sob os cuidados de uma mãe coruja e por isso não consegue ser independente; (c) talvez ele não queira se apaixonar novamente porque no passado se decepcionou com alguém que o feriu muito. Esclareça os motivos que o fazem ser como é. Veja-o como uma pessoa real, algo palpável. Quanto mais informações tiver, mais realista seu personagem fica.



Aparência: Essa é a parte mais fácil da estruturação. Talvez até tenha um exemplo de aparência para seu personagem quando pensa nele. Por sonharmos em adaptações de nossos livros (ou como um mecanismo para escrita), é normal visualizarmos nossos personagens com algum ator, modelo ou artista já conhecido e que admiramos. Esta é a hora de descrevermos como nosso personagem é. Cor de cabelo e olhos, altura, peso, cor da pele...

[Só não vai pegar aquela imagem de uma pessoa famosa e tacar na sua capa, por favor! Limites e violação de direitos de imagem existem em todos os lugares.]


Trauma: Vamos fazer seu personagem ter conteúdo sentimental agora - além do seu crush nele. Vamos explorar o passado dele por um instante. Aqui é o momento para definir algumas coisas que aconteceram com ele no passado, antes do início dessa história, e que vão influenciar as ações no presente. Crie traumas, lembranças ruins para ele. Uma fraqueza que se esconde nas sombras de sua mente. Sabe aquele super-herói nas histórias em quadrinhos? Pois é. Todo mundo tem uma kryptonita.


Desejo: Aqui criamos sonhos. Seu personagem tem alguma vontade para o futuro? Alguma meta que não realizou pelo trauma do passado? Uma vontade utópica. Pode ser o desejo de ser mãe, ter um filho, casar, conhecer o mundo, ganhar na loteria… Trabalhe bem isso daqui, ouviu?


Objeto: Toda pessoa tem algo que ama e que não vive sem. Pode ser um bem material. Um carro, uma pulseira, uma moto… Talvez a cobertinha que ganhou da mãe antes dela falecer que – será que isso foi um spoiler de The Boys? – sempre será seu porto seguro. Um livro favorito que seu personagem tem na cabeceira da cama, uma herança familiar e por aí vai...




Medo: Já falamos sobre os traumas do passado e das vontades para o futuro numa versão utópica, agora determine um medo que ele tem para o futuro também. Talvez seu personagem tenha medo de se afogar, medo de altura, medo de perder alguém importante, medo até mesmo de animais, insetos… algo que cause nele pesadelos. Assim, estaremos construindo seu lado de fraqueza, pois todo ser humano tem medo de algo e isso não pode ficar de fora na construção de um personagem. E o medo de descobrir que seu pai biológico não passa de um Darth Vader de meia tigela?


Valor: Essa também é fácil. Qual é o valor de seu personagem? Essa é a lei soberana do seu personagem, o que mais importa para ele. Manter a integridade? Fidelidade? Cite suas maiores qualidades. Seu personagem não admite mentiras. É franco a todo momento? Quais os motivos desse comportamento?




Objetivo: Finalmente chegamos na última parte desse texto. O último tópico se interliga com o problema da história (métodos #2). Dadas as consequências da ideia, qual é o objetivo do seu personagem como protagonista? Se é um livro de suspense policial, existe um assassino em série e seu protagonista é o detetive, então bem provavelmente seu objetivo na história é encontrar acima de tudo o vilão e impedir que ele mate mais alguém, certo? E como ele fará isso sem deixar de lado seus Valores como pessoa? [insira aqui a música de suspense]



OBS.: Preste atenção! Seu personagem deve ser capaz de ceder as fraquezas como qualquer pessoa, portanto, crie situações na sua narrativa que o faça questionar seus valores e/ou até mesmo rompê-los.



DICA: Para melhor construção é sempre recomendado se inspirar em alguém já conhecido. Um parente, um amigo… Assim, além de ser tudo mais fácil, seu personagem tem mais chance de se mostrar muito mais realista.


Beatriz does not approve. Existe um ponto em que seu personagem-baseado-em-alguém-real não depende mais de você e, sim, daquela pessoa. E o que será da sua história quando esse alguém for embora da sua vida? *sad vibes*






39 visualizações
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

CNPJ: 27.540.961/0001-45
Razão Social: Skull Editora Publicação e Vendas de Livros
Endereço: Caixa postal  79341 - Cep: 02201-971, - Jardim Brasil, São Paulo - SP

© 2020 Skull Editora. Todos os direitos reservados.